MULHERES NAS OLIMPÍADAS

MULHERES NAS OLIMPÍADAS

A extrema importância das mulheres na sociedade nunca esteve presente como atualmente, e isso refletiu na disputa das Olimpíadas de Tóquio 2021.


Confira abaixo alguns desses momentos de empoderamento feminino que marcaram para sempre a história dos jogos olímpicos de Tóquio 2021.

Mulheres, atletas e cientistas

Em meio a uma pandemia do novo coronavírus, as Olimpíadas de Tóquio 2021 contaram com disputas atípicas, sem a presença física de público durante as competições. Tal momento colocou em evidência a importância dos cientistas para diversos setores.


Como já é usual quando se trata das mulheres, as jornadas duplas, triplas e exaustivas das cientistas ficaram em evidência. Todas as atletas que competiram nas olimpíadas e desempenham tal função, foram devidamente reverenciadas.


Relembre um pouco das atletas que também são cientistas que competiram em Tóquio 2021:


  • A austríaca Anna Kiesenhofer, que trabalha com pesquisa e ensino na Universidade Técnica de Lausanne, na Suíça, sagrou-se campeã olímpica de ciclismo de estrada;

  • A estadunidense Gabby Thomas é graduada em neurobiologia e saúde global na Universidade Harvard, nos EUA, e nas olimpíadas alcançou a medalha de bronze na prova dos 200 metros rasos do atletismo;

  • A irlandesa Louise Shanahan, que competiu na prova dos 800 metros rasos feminino, é graduada em física quântica pela Universidade Cork, em seu país natal. Também está fazendo doutorado em física médica na Universidade de Cambridge, na Inglaterra;

  • A francesa Charlotte Hym, graduada em ciências do esporte pela Universidade Descartes, com especialidade em neurociência, competiu na modalidade skate street;

  • A israelense Andrea Murez, competiu nas provas de natação nas modalidades de estilo livre 50, 100 e 200 metros e no revezamento 4x100 medley misto. Ela é graduada em biologia pela Universidade Stanford, nos EUA, e ainda cursa medicina na Universidade de Tel Aviv, em Israel;

  • A egípcia Hadia Hosny, a primeira jogadora de badminton do Egito a se classificar para uma Olimpíada, anunciou a sua aposentadoria da modalidade após a disputa em Tóquio para seguir com sua carreira acadêmica, como professora assistente da Universidade Britânica em seu país natal.

  • Já Nadine Apetz fez história ao se tornar a primeira representante da Alemanha no boxe olímpico feminino. Contudo, ela pretende focar as suas energias em outra carreira, já que atualmente cursa o mestrado em neurociências pela Universidade de Bremen, em sua terra natal. Tem como meta finalizar seu doutorado no Hospital Universitário de Colônia, também na Alemanha;

Protesto contra uniformes sexistas

Um dos assuntos mais comentados em todo mundo durante as olimpíadas foi o handebol de praia. Em especial o time feminino da Noruega, que optou por não utilizar em uma competição oficial os exigidos biquínis como uniforme.


Antes do evento olímpico, as jogadoras da equipe norueguesa de handebol de praia optaram por utilizar shorts na disputa contra a Espanha pela medalha de bronze do campeonato europeu. O argumento era que o biquíni usado como uniforme oficial restringia os movimentos, era desconfortável e hiperssexualizava as atletas.


A decisão foi tomada mesmo após a negativa da Federação Internacional de Handebol ao pedido de troca de uniforme. Isso rendeu uma multa de 150 euros por jogadora que não utilizou o biquíni.


Evidente que a questão gerou uma série de protestos nas Olimpíadas, onde muitas atletas optaram por competir com uniforme que não evidenciaram os seus corpos. Por exemplo, a equipe de ginástica da Alemanha, que utilizou como uniforme um macacão de corpo inteiro.


Ainda a respeito dos uniformes oficiais, outro ponto que gerou muito debate foi a recusa do Comitê Olímpico Internacional (COI) do pedido da fabricante de toucas de natação Soul Cap. 


Esses produtos são desenhados para cabelos com dreadlocks, afros, tranças, extensões de cabelo, tranças, cabelos grossos e encaracolados, que gostaria de integrar as competições olímpicas como uma possibilidade entre os uniformes oficiais, gerando uma grande repercussão negativa.


Você também deve ter notado o grande número de máscaras, seja durante o desfile de abertura e encerramento, assim como durante a própria prática de uma série de modalidades. Você deve se lembrar que já comentamos inclusive sobre como se proteger ao realizar uma corrida.


Por isso, não se esqueça da sua proteção na hora de praticar esportes, e conte com as soluções em máscaras da Safe Sports. Há também opções personalizadas, além de malas, mochilas e acessórios.